The Psychedelic Furs — Torch letra e tradução

A página contém a letra e a tradução em português da música "Torch" de The Psychedelic Furs.

Letra

A thousand rainy days
And I spoke on tongues that talk of saints
Burned down days like cigarettes
For your hollow praise
Down the days that you forget
Count the pictures that you keep
Keep it, hide it all away
Let it never show
All of this and I regret
Not a day that I was sent
Celebrated and arose
For your vanity in vain
Framed the faces I applaud
All the same sad eyes
Write the world between the lines
I heard it all, I heard it spoke
Like a name I call my life
Let it never show
All of this I now regret
Not a day that I was sent
Not a name that I might place
Not at my parade
In the four walls of my room
Standing where I wait
Others praised and I can’t come
Tore the pictures off my walls
There’s a secret that I keep
Let it never show
All of this I now regret
Not a day that I was sent
All of this I now regret
Not a name that I might place
Not at my parade
Framed the faces I applaud
All the same sad eyes
Write the world between the lines
I heard it all, I heard it spoke
In the four walls of my room

Tradução da letra

Mil dias chuvosos
E eu falava em línguas que falavam de Santos
Dias queimados como cigarros
Para o teu louvor oco
Nos dias que esqueces
Conta as fotos que tens
Guarda-o, esconde-o todo
Que nunca se veja
Tudo isto e Arrependo-me
Nem um dia em que fui enviado
Celebrada e erguida
Pela tua vaidade em vão
Emoldurei as caras que aplaudo
Todos os mesmos olhos tristes
Escreve o mundo entre as linhas
Ouvi tudo, ouvi tudo.
Como um nome a que chamo a minha vida
Que nunca se veja
Tudo isso eu agora me arrependo
Nem um dia em que fui enviado
Não é um nome que eu possa colocar
Não no meu desfile.
Nas quatro paredes do meu quarto
De pé onde eu espero
Outros elogiados e eu não posso vir
Arrancou as fotos das minhas paredes.
Há um segredo que guardo
Que nunca se veja
Tudo isso eu agora me arrependo
Nem um dia em que fui enviado
Tudo isso eu agora me arrependo
Não é um nome que eu possa colocar
Não no meu desfile.
Emoldurei as caras que aplaudo
Todos os mesmos olhos tristes
Escreve o mundo entre as linhas
Ouvi tudo, ouvi tudo.
Nas quatro paredes do meu quarto