Nailed To Obscurity — In Vain letra e tradução

A página contém a letra e a tradução em português da música "In Vain" de Nailed To Obscurity.

Letra

Anonymity guides us through
Days so grey and cold — Into obscurity
We’re all of of a kind — Obsolete
We feel useless and old
But we carry on
Struggling for acceptance
Begging for tolerance
Without any result
Always feeling like
We’re the dysfunction
Of our environment
Of our own existence
One by one we fall
Into oblivion
It’s just another step
Into nothingness
And things we endure
Lead us closer to the edge
The edge of a deep abyss
When it comes down to it, it was all in vain
So careless — So ruthless
Inconsiderate
Without any result
And can we ever change
Can we ever abandon
This fatal situation — Escape from the scourge
One in a billion — left alone
Here to perish — Born to die
Sentence of death
Birth starts our life — Death ends our life
Yet nothing happens in between
Hypnotized by a perennial strife — An infinite trap
Which end is nowhere to be seen
After all we carry on
Still struggling for acceptance
Still begging for tolerance
Without any result
Always sensing the malady
The dullness of life
Unaware of the antidote
That could be the cure
One by one we fall
Into oblivion
It’s just another step
Into nothingness
And things we endure
Lead us closer to the edge
The edge of a deep abyss
When it comes down to it, it was all in vain

Tradução da letra

O anonimato guia-nos através
Dias tão cinzentos e frios até à obscuridade
Somos Todos obsoletos.
Sentimo-nos inúteis e velhos
Mas continuamos
Lutar pela aceitação
Implorando pela tolerância
Sem resultado
Sempre a sentir-me como
Nós somos a disfunção.
Do nosso ambiente
Da nossa própria existência
Um a um caímos
No esquecimento
É só mais um passo.
No nada
E as coisas que suportamos
Leva-nos mais perto do limite
The edge of a deep abyss
No fundo, foi tudo em vão.
Tão descuidado-tão implacável
Imprudente
Sem resultado
E podemos mudar
Podemos alguma vez abandonar
Esta situação fatal-escapar do flagelo
Um em um bilhão-deixado sozinho
Aqui para morrer — nascido para morrer
Sentença de morte
O nascimento começa a nossa vida — a morte termina a nossa vida
No entanto, nada acontece no meio
Hipnotizado por uma contenda perene - uma armadilha infinita
Que fim não se vê em lado nenhum
Afinal de contas continuamos
Ainda a lutar pela aceitação
Ainda implorando por tolerância
Sem resultado
Sempre a sentir a doença
A monotonia da vida
Desconhecendo o antídoto
Pode ser a cura.
Um a um caímos
No esquecimento
É só mais um passo.
No nada
E as coisas que suportamos
Leva-nos mais perto do limite
The edge of a deep abyss
No fundo, foi tudo em vão.