Jack Moy & Glöden — Hurricane letra e tradução

A página contém a letra e a tradução em português da música "Hurricane" de Jack Moy & Glöden.

Letra

She was drop dead gorgeous
And I can’t afford this restaurant
I heard you only went out with boys from the other side of town
Where it’s all about the money you know
I see the slavery stitched in your clothes
And all the lies you were told
About this place that I call home
You said you never had to compete with me and that’s the way it will always be
You said you never had to compete with me and that’s the way it will always be
So take my hand I’ll show you around
There’s the bench where we first threw down
After a year you moved here
Got a nickname from the boys that was wierd
Out of all the names
Out of all the names
You were hurricane
Out of all the names
Out of all the names
You were hurricane
I was a perfect gentleman
Made you smile with out a cent, but than again
I heard you only went out with boys from the other side of town
Where it’s all about the money you know
I see the slavery stitched in your clothes
And all the lies you were told
About this place that I call home
You said you never had to compete with me and that’s the way it will always be
So take my hand I’ll show you around
There’s the bench where we first threw down
After a year you moved here
Got a nickname from the boys that was wierd
Out of all the names
Out of all the names
You were hurricane
Out of all the names
Out of all the names
You were hurricane
Wind spread words of lies in ears and you’re not innocent my dear
My sweat my blood is all that I have left
What remains in my black heart is not for you to light a spark
What remains in my black heart is mine
And all the drugs that I have done
Some for pain and some for fun
Cannot compete with loving you this way

Tradução da letra

Ela estava linda de morrer.
E não posso pagar este restaurante.
Ouvi dizer que só saíste com rapazes do outro lado da cidade.
Onde é tudo sobre o dinheiro que conheces
Vejo a escravatura cosida nas tuas roupas.
E todas as mentiras que te contaram
Sobre este lugar a que chamo lar
Disseste que nunca tinhas de competir comigo e é assim que sempre será.
Disseste que nunca tinhas de competir comigo e é assim que sempre será.
Por isso, dá-me a mão e eu mostro-te a casa.
Ali está o banco onde atirámos pela primeira vez.
Depois de um ano, mudaste-te para cá.
Consegui uma alcunha dos rapazes que eram estranhos.
De todos os nomes
De todos os nomes
Tu eras o furacão.
De todos os nomes
De todos os nomes
Tu eras o furacão.
Fui um perfeito cavalheiro.
Fez-te sorrir sem um cêntimo, mas de novo
Ouvi dizer que só saíste com rapazes do outro lado da cidade.
Onde é tudo sobre o dinheiro que conheces
Vejo a escravatura cosida nas tuas roupas.
E todas as mentiras que te contaram
Sobre este lugar a que chamo lar
Disseste que nunca tinhas de competir comigo e é assim que sempre será.
Por isso, dá-me a mão e eu mostro-te a casa.
Ali está o banco onde atirámos pela primeira vez.
Depois de um ano, mudaste-te para cá.
Consegui uma alcunha dos rapazes que eram estranhos.
De todos os nomes
De todos os nomes
Tu eras o furacão.
De todos os nomes
De todos os nomes
Tu eras o furacão.
O vento espalhou palavras de mentiras nos ouvidos e não és inocente, minha querida.
O meu suor o meu sangue é tudo o que me resta
O que resta no meu coração negro não é para acenderes uma faísca
O que resta no meu coração negro é meu
E todas as drogas que eu fiz
Alguns para a dor e outros para a diversão
Não posso competir com Amar-te assim