Insurrection — History Repeats Itself letra e tradução

A página contém a letra e a tradução em português da música "History Repeats Itself" de Insurrection.

Letra

Follow down the spiral path you take
Restarting from scratch. devoured and reborn
Destroyed and rebuilt
In the steps of history’s mistakes
Inevitably crushed by the gears of consequence
As it was, so shall it be
Fail to change
As it was, so shall it be
For all time
Times of strife and storms of hate you bring
Stay in the dark, cover your ears, kneel in the mud
We shall keep the wheel of fate turning
Familiar events, blindfolded men, stabbing the air
Failure to learn, refuse to evolve, history repeats itself
As it was, so shall it be
Fail to change
As it was, so shall it be
For all time
Build a wicker-empire
The lamb, the wolf, both caged within
All set for the blaze to come
Waiting for a champion to emerge
And set the machine’s motion
To build and destroy once more
That which cannot change
Shall live from now until the end
Past mistakes are shared by all
It feeds on apathy: it bleeds the greyness of habit
And it becomes us all
Let the snake of infamy prevail
Swallow its tail coiling itself in for the kill
Status quo will lead the fools astray
Stagnation’s the gift wrapped in deceit back to the start
History repeats itself as surely as human nature
Will thrive to reach oblivion
History repeats itself hopelessly and thoroughly
Towards a most gruesome fate

Tradução da letra

Segue o caminho espiral que segues
A recomeçar do zero. devorado e renascido
Destruído e reconstruído
Nos passos dos erros da história
Inevitavelmente esmagados pelas engrenagens das consequências
Como era, assim será
Não mudar
Como era, assim será
Para sempre
Tempos de luta e tempestades de ódio que trazes
Fica no escuro, tapa os ouvidos, ajoelha-te na lama.
Vamos manter a roda do destino a girar
Acontecimentos familiares, homens vendados, a esfaquear o ar
Não aprender, recusar evoluir, a história repete-se
Como era, assim será
Não mudar
Como era, assim será
Para sempre
Construir um império de vime
O Cordeiro, O lobo, ambos enjaulados
Tudo pronto para o fogo vir
À espera de um campeão emergir
E pôr a máquina em movimento
Para construir e destruir mais uma vez
O que não pode mudar
Viverá de agora até ao fim
Os erros do passado são partilhados por todos
Alimenta-se de apatia, sangra a ganância do hábito.
E torna-se em todos nós
Que a serpente da infâmia prevaleça
Engole a cauda enrolando-se para matar
O Status quo vai desviar os tolos
A estagnação é o presente envolto em enganos de volta ao início
A história repete-se tão seguramente como a natureza humana
Vai prosperar para alcançar o esquecimento
A história repete-se irremediavelmente e completamente
Para um destino horrível