Don Francisco — Come Away letra e tradução

A página contém a letra e a tradução em português da música "Come Away" de Don Francisco.

Letra

Come away, come away
Into quiet and trust, come away
Come away, come away
In repentance and rest, come away
For heaven’s are telling the glory of God
The works of His hands teach His way
The night reveals knowledge, we must understand
His invisible nature is explained through the day
Come away, come away
----Come away, come away
The rhythm of the city
An emotionless machine
Manufactured in reality
Shining but unclean
Built on sand and fantasy
Mirror of mirage
Reflected by the silver screen
Of chrome in the garage
Vision blocked by concrete
Callused hearts encased
Deafened by the drum beat
Tongues too seared to taste
Masked by thrum of engines
And the chatter of the screen
The still small voice is buried
The footpath isn’t seen
Images and idols
Technologically divised
Words of cotton candy
That dissolve before your eyes
Intellect and science
Worshipped by decree
Giving credit to illusion
So the chains believe they’re free
Fundamental skeletons
In self appointed roles
Clothed in robes of office
But carnivorous of souls
Speaking words that come from knowledge
But do not come from light
Letter lacking spirit
Adding darkness to the night
(c)1992 Star Song Records

Tradução da letra

Vem, vem
Em silêncio e confiança, vem
Vem, vem
Em arrependimento e descanso, vem embora
Pois os céus contam a glória de Deus
As obras de suas mãos ensinam o seu caminho
A noite revela conhecimento, devemos entender
Sua natureza invisível é explicada através do dia
Vem, vem
---- Vem-te embora, vem-te embora
O ritmo da cidade
Uma máquina sem emoção
Fabricado na realidade
Brilhando, mas impuro
Construída sobre areia e fantasia
Espelho de miragem
Reflectido pelo ecrã prateado
De cromo na garagem
Visão bloqueada pelo betão
Corações invocados encapsulados
Ensurdecido pela batida do tambor
Línguas demasiado queimadas para saborear
Mascarado de vários motores
E a conversa do ecrã
A voz ainda pequena está enterrada.
O caminho não é visto
Imagens e ídolos
Alienação tecnológica
Palavras de algodão doce
Que se dissolvem diante dos teus olhos
Intelecto e ciência
Adorado por decreto
Dar crédito à ilusão
Então as correntes acreditam que são livres
Esqueletos fundamentais
Em funções auto-designadas
Vestidos em mantas de escritório
Mas carnívoro de almas
Falar palavras que vêm do conhecimento
Mas não vêm da luz
Letra sem espírito
Somando a escuridão à noite
(c) 1992 Star Song Records